Um blog para mulheres inteligentes e empoderadas pelo conhecimento!

Um blog para mulheres inteligentes e empoderadas pelo conhecimento!
"Interior com menina que lê". Óleo sobre tela de Henrique Bernardelli.1886.

domingo, 9 de julho de 2017

Cazuza - Viriato Correa. Resenha crítica de *Caio Carvalho.

Download Cazuza  - Viriato Correa    em ePUB mobi e pdf

- Pergunta você o que é o Brasil? É tudo que temos feito em prol do progresso, da moral, da cultura, da liberdade e da fraternidade. O Brasil não é o solo, o mar, o céu que tanto cantamos. É a história de que não fazemos caso nenhum.(p.185)

Neste texto, objetivamos levantar uma análise crítica a respeito da clássica obra Cazuza (1938) do aclamado escritor maranhense Viriato Correa. A trama nos traz a história do garoto que dá nome ao livro. Em um tom memorialístico ele nos conta a sua infância em uma narrativa dividida em três partes, nas quais são alterados os personagens, o espaço e até a temática expressa. Seguindo uma ordem cronológica, a infância do menino é situada no livro, agregando a isso sua perspectiva diante do que ele presencia.

Ao ler Cazuza, é impossível caracterizá-lo como um livro homogêneo referente à sua temática, pois a diversidade de traços que compõe o estilo do autor, atrelado ao imaginário da época é gritante. Dessa forma, pontuamos na obra uma reflexão específica: o patriotismo. O narrador nos traz, especialmente na parte 3, um relato do desejo que ele tem de que o brasileiro assuma sua verdadeira identidade, fazendo uma crítica aos que cantam a brasilidade de uma forma equivocada e contida, ao passo que defende que ela é muito mais que isso.

A culpa não é de vocês, é de quem lhes ensina noções falsas. Para muita gente, patriotismo é elogiar as nossas coisas mesmo quando elas não merecem elogios. É um erro. O verdadeiro patriotismo é aquele que reconhece as coisas ruins do seu país e trabalha para melhorá-las. (p.209)

A Literatura é um dos mecanismos de maior influência quando se quer valorizar a pátria. Na tese Literatura como Missão (1981), de Nicolau Sevcenko, o autor coloca a Literatura como uma forte arma que ajuda o leitor a refletir sobre os eixos sociais que compõem o contexto em que o indivíduo está inserido. Para Sevcenko, o texto literário é um documento de ação político-social, que denuncia as mazelas vividas e sugere possíveis correções.

Viriato Correa usa e abusa desse cunho social que a Literatura possui pois nos faz refletir sobre a forma com que o brasileiro percebia sua pátria e como esse brasileiro ensinava suas crianças.  O forte tom crítico do protagonista faz o leitor enxergar o patriotismo menos da perspectiva natural e mais do cunho identitário que os próprios brasileiros lutaram para que seu país possuísse.

Para além da questão patriótica, o livro retrata fielmente a cultura maranhense, além de nos fazer refletir a respeito do ensino formal nas escolas da época, do preconceito e desvalorização com a gente pobre - questões altamente sociais. Com uma linguagem concisa e diálogos rápidos, o leitor consegue devorar as 229 pág. bem rápido! Lembremos que acima de tudo, a leitura de Cazuza demonstra que Literatura não é apenas deleite; Literatura também é denúncia.

*Caio Carvalho é aluno do curso de Letras/Português da Universidade Estadual do Maranhão - UEMA, Campus Timon (MA).

domingo, 2 de julho de 2017

Wicked - Gregory Maguire

Resultado de imagem para wicked
(São Paulo: Ed.Leya, 2016)

A feitiçaria [...] não rasga, ela remenda. É síntese, em vez de análise. Gera o novo em vez de revelar o antigo. Nas mãos de alguém verdadeiramente qualificado [...] é Arte." (p.182)

Olá meus leitores, tudo bom? Depois de um mês festivo como junho (pelo menos pra nós aqui do Nordeste é assim!), ufa! chegamos em julho, mês de férias! E isso significa colocar o lazer em primeiro lugar, isto é, a leitura, né? Bom, vamos à uma gostosa indicação que serve pra todas as idades, especialmente os adolescentes!

Wicked (malvada/o em inglês) narra a história da vida cheia de preconceitos e dificuldades de Elfaba, antes de se tornar a famosa Bruxa Má do Oeste da terra encantada de Oz. Desde criança a moça tem que lidar com olhares desconfiados por conta de sua aparência meio sinistra: cor da pele esverdeada e uma magreza extrema contrastando com belos olhos e cabelos negros e sedosos. Seu pai, Frex, um pastor que prega o monoteísmo, gosta de exibi-la a seus fiéis seguidores como prova da misericórdia de Deus, já que em nenhum momento Elfaba demonstra ter má índole. Sua mãe, Melena, rejeita-a constantemente. 

Crescendo no ambiente pobre, rural e pantanoso da província de Quadling, sendo negligenciada por seus pais e seus dois irmãos, Nessarose e Casco, Elfaba se volta para a leitura - seu único prazer é adquirir mais e mais conhecimento. Assim ela chega à universidade e o destino faz com que divida o mesmo quarto com a burguesa Glinda, que mais tarde se tornará a Bruxa Boa do Norte. Apesar das diferenças profundas as duas se tornam amigas: Elfaba segue acreditando que sua essência é má, sempre questionando qual sua verdadeira missão. Já Glinda segue afirmando que a feitiçaria pode ajudar a trazer o bem a Oz, salvando o país das tiranias comandadas pelo famoso mágico.

Mas muitas coisas acontecem não só a Elfaba como a seus amigos, após os anos da universidade: eles aprendem que os atos tem consequências. Cada um tem seus ideais de vida colocados à prova, para testar se suas essências são de fato más ou boas. À medida que Elfaba, Glinda, Boq, Fiyero e Nessa assumem responsabilidades e dão um direcionamento a seus destinos, suas personalidades também se delineiam. E suas identidades se formatam em figuras de bruxas e homens da elite de Oz.

A temática principal da obra gira em torno dos conceitos de bem e mal, principalmente deste último, assim como as suas respectivas personificações. Wicked demonstra de forma crua como algumas facetas do mal se apresentam na sociedade: na escravização de mentes, na imposição de ideologias tirânicas, na hipocrisia e no silêncio condescendente que apóia o governo ilegítimo do mágico de Oz.

É lógico que eu sugiro que você leia logo em seguida (ou antes mesmo) o clássico da literatura infantil e juvenil O maravilhoso mágico de Oz (1900) do norte-americano L.Frank Baum: todos os elementos que estão nesta obra reaparecem em Wicked, como a menina Dorothy, seu cachorrinho Totó e os amigos que ela faz em Oz: o homem de lata, o espantalho e o leão covarde. Ah! E vocês entenderão finalmente, assim como eu, a razão de os famosos sapatos prateados serem encantados! Garanto que a leitura será de fato maravilhosa!

"[...] Ou o mundo simplesmente se descortina aos seus olhos, repetidas vezes, assim que você está pronto para vê-lo de maneira diferente?" (p.255)



domingo, 18 de junho de 2017

No alto da ladeira de pedra - Carvalho Jr.

Resultado de imagem para no alto da ladeira de pedra
(São Paulo: Patuá, 2017)

"cadeira, óculos, agulha...

no alto da ladeira de pedra,
vô Quirola remenda
as redes de pesca. [...]" (p.51)

Olá leitores! Hoje é dia de poesia, meu assunto preferido...Chegou-me às mãos ainda em maio deste ano a obra poética do jovem autor caxiense Francisco de Assis Carvalho da Silva Jr - ou simplesmente Carvalho Jr., cidadão de Caxias - MA. O poeta é bastante conhecido por aqui e já possui um reconhecimento merecido para além da região dos Cocais, o que não me surpreende, uma vez que seus versos tem qualidade. E ter qualidade na arte poética não é apenas escrever poemas que falem ao coração. É ter riqueza de linguagem. É ter coragem de expressão. É saber ser significativo hoje e sempre. E Carvalho Jr. pode se gabar de reunir esses adereços.

O livro em si, enquanto objeto-poético, é bem convidativo: o layout e a disposição interna dos poemas, bem como a escolha das epígrafes na abertura de cada uma das partes do livro salta aos olhos. É gostoso de ver, e depois a leitura torna-se mais prazerosa ainda.

Quanto à temática, eu dividiria esta obra em dois momentos: primeiro temos poemas que nos ligam à infância, ao corpo-erótico, à solidão. Porque se conhecer e (re)conhecer sua essência é necessário; o medo e o silêncio são latentes, mas a coragem de viver é maior:

"teu nome é uma tejubina - libélula - borboleta
que dança os meus arco-íris da infância
nas armadilhas e incêndios de uma bolha de sabão." (p.30)

Em um segundo momento, o "índio fantasma da tribo Quirola" (que é como se define o eu poético) nos mostra um espaço muito bem traçado, com elementos que se voltam para a memória da cidade, com a denúncia recorrente de sua decadência e o descaso de seus habitantes; temos também o rio que perpassa tudo e todos e que, juntamente com o povo, tenta resistir às violências do cotidiano. É sempre interessante ler poetas que nunca se esquecem de sua função social. Porque a palavra bem dita tem força; ela se espalha e não se perde: 

"passa o rio como um cachorro magro...
tudo que bebe são assobios de socós
e a seca indiferença dos bocós." (p.39)

Finalizo por aqui, me permitindo dizer o que eu mais gosto nos poemas de Carvalho Jr.: é o uso da explosão de cores e de neologismos com que ele burila a palavra; sua concisão e ironia me agradam muito. Abusar da linguagem assim é um exercício que requer prática para não parecer óbvio. Porque, na verdade, como disse o poeta francês moderno Paul Valéry, o poema é uma espécie de máquina de produzir o estado poético através das palavras, muito embora não saibamos o efeito da ação dessa máquina a longo prazo em nossos espíritos. O efeito dessa "máquina" em mim hoje é de êxtase e de contemplação. Só posso me emocionar com o que é verdadeiro para meus olhos:

"pare,
olhe,
escute:
nem o trem
nem a fome 
do mundo
passaram 
ainda."(p.27)


sexta-feira, 2 de junho de 2017

Ainda estou aqui - Marcelo Rubens Paiva

Resultado de imagem para Ainda estou aqui
(Rio de Janeiro: Ed. Objetiva, 2015)

Tentava, a todo custo, ser tratada não como uma doente, uma demente, mas como um ser igual a todo mundo, que, com a idade, é traído pela memória, fica velho, fica esquecido, fica esclerosado, velhinha.(p.27)

Olá meus leitores da vida, tudo bom? Vamos a mais uma resenha de uma ótima leitura! Ainda estou aqui (2015), romance do Marcelo Rubens Paiva, vocês podem adquirir sem medo aqui.

Por meio de um relato bem memorialista porém marcado pela objetividade de fatos verídicos, em que ficção e compromisso com a verdade se entrelaçam fortemente, o narrador tem como ponto de partida a descoberta de que sua mãe possui mal de Alzheimer. Por iniciativa própria, ele aceita ser seu tutor e, consequentemente, questiona como uma mulher como Eunice Paiva em breve não se lembrará mais de sua vida. 

E que vida, hein? Poucas pessoas podem se gabar de terem chegado aos 77 anos de forma tão ativa quanto Eunice, que teve que se reinventar aos 41 anos, com 5 filhos pra criar, no auge da década de 1970 e do regime militar; que teve que aceitar que o suposto desaparecimento do marido Rubens Paiva, engenheiro e ex-deputado federal, na verdade, foi um assassinato perpetrado por torturadores do DOI.

 A revolta transmutou-se em uma luta na persistência de existir: a moça de ascendência italiana e que adorava ler, formada em Letras, resolveu fazer faculdade de Direito e refazer a vida, triste por dentro mas alegre por fora. Terminou de criar os filhos, driblou as questões burocráticas legais por não conseguir provar sua viuvez - já que o corpo de Rubens nunca foi encontrado, abraçou a causa do Direito Indígena nos anos 1980...ufa! Tem mais, muito mais.

Histórias como a de Eunice devem ser lidas para que nos lembremos que uma vida inteira ainda é pouco pra quem quer realizar tanto. Histórias que tem como pano de fundo o período negro do regime militar no Brasil devem ser resgatadas e discutidas sempre que possível, já que somos, em grande parte, um país sem memória, tanto para fatos longínquos quanto para os fatos recentes. Também pudera. Quem nos educou de fato nos ensinou a pensar, a lutar? Quem nos educou nos deu o conhecimento das verdades não-oficiais? Um pessoa sem memória a gente aceita, pois a doença é algo involuntário. O que não se aceita mesmo é um país sem memória; sem olhos para o passado.

Assim era o Brasil da ditadura: o órgão que deveria defender os índios defendia os fazendeiros que invadiam as terras indígenas; a polícia federal, que deveria defender o direito do cidadão, defendia o Estado e o poder, que se sentia ameaçado pelo cidadão. (p.205)

sábado, 20 de maio de 2017

3 obras literárias que viraram ótimas adaptações cinematográficas

Olá meus amores-leitores da vida!!! Tudo bom com vocês neste mês de maio? Espero que sim!!! Na última segunda-feira (15/05/2017) saiu nossa participação no canal Cinetê, do querido youtuber Renan Ferreira - fizemos lá um gostoso bate-papo sobre literatura e a sétima arte. Indicamos 3 obras literárias que tiveram ótimas adaptações cinematográficas, vocês sabem que amo cinema né?


O filme "O vestido" tem a história baseada no poema "Caso do vestido" de Carlos Drummond de Andrade. Uma esposa é totalmente apaixonada pelo marido e acredita firme e forte no poder do amor e do casamento...até a chegada de uma "mulher do demo" que vem de fora e enfeitiça o marido da outra, usando um belo vestido. O que acontece no final? Leia o poema e depois assista o filme ;) 





O filme "Moça com brinco de pérola" é baseado no romance homônimo da autora norte-americana Tracy Chevalier. Olha o trailer aqui:




Por último mas não menos importante o meu preferido da vida! O filme "As horas" é baseado no enredo do romance também homônimo do autor norte-americano Michael Cunningham, que inclusive ganhou o maior prêmio literário dos EUA por essa obra em 1999, o prêmio Pulitzer. Olha o trailer do filme aqui:



Com exceção do Drummond, claro, os outros 2 autores ainda estão na ativa ;) Já assistiu ou já leu essas obras que indiquei? Comenta aqui no blog! P.S: meus ex alunos de Literatura de Língua Inglesa com certeza já fizeram um dos dois rsss....

quarta-feira, 26 de abril de 2017

"Você gosta de poesia?" - Sobre a Poesia Marginal ou a Geração Mimeógrafo



Resultado de imagem para poesia marginal


Você gosta de poesia? Se sim, deixe de lado seus pré conceitos sobre poesia, principalmente sobre poesia marginal. Não, ela não foi produzida por um bando de loucos sem rumo, sem eira nem beira, que só queriam bagunçar o cenário intelectual arrumadinho nos idos das décadas de 1960,1970 e começo de 1980. Não, eles não eram alienados. Eles queriam bagunçar, mas também queriam espaço e voz que não eram dados a quem queria uma terceira opção de expressão.

Em um contexto social complexamente bipolar, bipartidário, unilateral e pouco plural, dominado por frases de efeito como “ordem e progresso”, “ame-o ou deixe-o”, em que ou você era conservador e a favor do país e da família ou era comunista e guerrilheiro, contra a moral, os poetas marginais propunham novas experiências literárias; novas vivências; um novo caminho de existência, talvez, um caminho do meio no meio de poucas opções de ser.


O ser humano precisa de mais do que isso pra viver. A poesia é de todos, para todos. É um momento de comunhão de emoções, de doação de sentimentos variados, que não se limita a um pedaço de papel ou a um reconhecimento acadêmico. A poesia transborda do papel para virar música – pois um dia era lira e aqui volta a seu estado original; a poesia transborda em gestos e olhares com o público, pois qual o motivo de poetar sem ter alguém pra dialogar? Serei eu um poeta? Qualquer um pode ser poeta, produzir poesia, a palavra é minha, por que não? Por isso a pergunta é tão simples e ao mesmo tempo tão urgente: você gosta de poesia?

Apresento-lhes então Torquato Neto, Waly Salomão, Ana Cristina César, Cacaso, Chacal, Charles, Afonso Henriques Neto, Francisco Alvim, Paulo Leminsky. Marginais porque plurais; marginais porque espontâneos; marginais porque a literatura, na verdade, precisa de aventura e de loucura. Marginais porque a poesia não precisa de aprovação de um grupo seleto pra acontecer. O povo é onde minha poesia acontece. Ser poeta é ter atitude. O mundo é grande e minha poesia não se limita ao céu.

DEVENIR, DEVIR (WALY SALOMÃO)

Término de leitura
de um livro de poemas
não pode ser o ponto final.

Também não pode ser
a pacatez burguesa do
ponto seguimento.

Meta desejável:
alcançar o
ponto de ebulição.

Morro e transformo-me.

Leitor, eu te reproponho
a legenda de Goethe:
Morre e devém

Morre e transforma-te.   


Temos um grupo de performance em que fazemos intervenção poética: ler poemas para causar espanto e reflexão. Porque poesia é isso. É o nosso instante. E é o bastante.





domingo, 26 de março de 2017

A câmara sangrenta e outras histórias, de Angela Carter

Resultado de imagem para a camara sangrenta angela carter
(Porto Alegre: Ed. Dublinense, 2017)

Casado três vezes no decurso da minha própria breve vida com três graças diferentes, ele agora me convidara, como se para demonstrar o ecletismo de seu gosto, para integrar essa galeria de mulheres bonitas - eu, a filha da viúva pobre [...] (p.20)

Olá de novo meus amores leitores! Mais uma resenha literária maravilhosa que hoje trago para vocês: um conto da não menos maravilhosa autora inglesa Angela Carter e sua atualização dos clássicos contos de fadas. Atualização sim, pois Carter (re) conta algumas destas clássicas histórias populares valorizando a figura da mulher, promovendo assim um pensamento mais empoderado e forte sobre a figura feminina na sociedade.

Essa obra chegou pra mim neste mês de março pois sou assinante da Tag Experiências Literárias; já contei aqui em outro post que tenho gostado muito da seleção de livros que chegam mensalmente. Quem fez a indicação de A câmara sangrenta e outras histórias para nós, assinantes da TAG, foi a não menos maravilhosa escritora Marina Colasanti. Como o mês de março é "considerado" o mês da mulher, a proposta de leitura / discussão da obra segue essa linha mesmo: refletir sobre a força feminina na sociedade e perceber como nós, mulheres, podemos ser e somos agentes transformadores do nosso próprio destino.

Publicado em 1979, A câmara sangrenta e outras histórias "explora o tema do feminismo ao contrastar elementos tradicionais da ficção fantástica -que habitualmente descreve personagens femininas como frágeis e desamparadas - com protagonistas fortes e impositivas." (Revista da TAG, p.13)

Não conhecem Angela Carter? Indico essa obra aqui embaixo, ó, para começarem a ver um pouco do trabalho de pesquisa e seleção de contos populares que ela realizou, e como suas reflexões sobre o universo feminino foram e são importantes para a literatura:


Resultado de imagem para a menina do capuz vermelho e outras histórias
(São Paulo: Penguin Classics Companhia das Letras, 2011)

Carter é uma mulher de seu tempo: vivenciou as lutas e conquistas femininas a partir da década de 1960 e ela não se omitiu - deu voz bem alta a muitas personagens em suas narrativas, ao mesmo tempo em que se aprofundava no estudo, coleta e análise de contos populares ("contos de fadas") das mais diversas culturas. Segundo ela, o resgate dessas histórias nos revela que "o passado foi duro, cruel e especialmente hostil para as mulheres, por mais desesperados que tenham sido os estratagemas que usamos para fazer as coisas um pouco à nossa maneira." (2011, p.23).

Mas vamos à história de A câmara sangrenta? Aqui só falaremos deste conto, para que vocês fiquem com gostinho de quero mais e leiam os outros contos da obra de Carter. Ele é uma "repaginação" moderna do famoso conto de fadas Barba Azul, popularizado séculos antes por Charles Perrault. Carter traz a história narrada pela própria personagem, a mocinha virgem e pobre que aceita se casar com um homem rico e beeeem mais velho - ela é sua quarta esposa. Não há indícios de amor, mas de um grande desejo de posse, por parte do marido, e de curiosidade, por parte da jovem. Ela se atrai por esse mundo luxuoso e pela aparência viril e forte que aquele homem tem a lhe oferecer: por isso aceita casar-se.

Ele me beijou e colocou a mão imperativamente sobre o meu seio, por baixo da bainha de renda antiga [...] (p.31)

Ele a leva para seu castelo à beira do mar, na região francesa da Normandia, "isolado do continente pela maré durante metade do dia." (2017, p.25) Sim, era um castelo cujo acesso  para o continente se dava apenas quando a maré baixava; quando estava alta, o castelo ficava mesmo isolado. Após uma breve lua de mel e apresentação do imenso lugar à sua esposa, o marido lhe dá todas as chaves de todas as portas do castelo, fazendo porém a ressalva sobre uma delas em específico: "prometa-me que vai usar todas as chaves no anel exceto essa última que lhe mostrei." (p.38) E em seguida ele lhe diz que precisa fazer uma viagem de negócios de última hora.

Consumida pela curiosidade, a jovem, é claro, decide não só explorar o castelo como também entrar na câmara proibida: lá, descobre que é uma câmara de tortura mantida pelo marido, responsável pelas mortes de suas ex-esposas. E agora? Como ela fará para se desvencilhar deste casamento fadado à tragédia?

No famoso conto de fadas, Barba Azul é um homem rico e poderoso que propõe casamento a uma jovem pobre. Com isso, ela vê uma oportunidade dupla: sair do lar e ter compensação financeira. Mesmo impactada pelo aspecto feio da barba e sinistro mesmo de seu pretendente, ela se casa. Ele também lhe diz que ela pode desfrutar de tudo o que existe no castelo, com exceção de um quarto secreto. Mesmo assim, ela cede à curiosidade e adentra o recinto proibido, dando de cara com as atrocidades cometidas pelo marido contra suas esposas anteriores, que permaneciam degoladas e penduradas, tal qual um açougue.

Não vou contar o final das duas histórias - a clássica e a "repaginada" por Angela Carter, porque vale muito a pena a leitura de ambas. Mas devo dizer que fiquei muito feliz em ler o final de A câmara sangrenta: demonstra que realmente nós, mulheres, devemos sim ser solidárias umas com as outras. Somente um senso forte de irmandade e cumplicidade entre mulheres nos salvará de um mundo em que ainda se aceita toda e qualquer forma de violência masculina. Temos esperança de que um dia homens e mulheres se respeitem de tal forma que não precisem mais se enxergar com tantas diferenças.

Lancei um último olhar desesperado da janela e, como num milagre, vi um cavalo e seu cavaleiro galopando a uma velocidade vertiginosa ao longo da passagem [...] (p.64)