Um blog para mulheres inteligentes e empoderadas pelo conhecimento!

Um blog para mulheres inteligentes e empoderadas pelo conhecimento!
"Interior de escola árabe em Constantina". Grafite e aquarela sobre papel de Theodore Chasseriau.1846.

sexta-feira, 18 de janeiro de 2013

Byron Apaixonado...


Não é um romance, mas a autora Edna O'Brien bem que tenta romantizar a biografia de um dos maiores poetas da literatura mundial, Lord Byron. Ele não foi precursor do Romantismo inglês como acreditam alguns, mas foi quem consolidou essa estética que ultrapassou o simples âmbito artístico.


O'Brien discorre, explica e desmitifica todos os burburinhos que permeiam a vida de Byron. Por exemplo, o paradoxo de ter uma origem nobre mas sem muito acesso ao dinheiro em si; o recebimento do título de Lord aos 11 anos, a partir da morte do avô; suas más relações com sua mãe. Byron cresce em busca de companhias, bebidas e aventuras, e gradualmente sua paixão pela literatura coincide com a difusão do Romantismo na Europa - no caso dele, começo do século XIX. Os casos amorosos são realmente um capítulo à parte - amar o amor: era esse o comportamento de Byron; acender a chama e viver pelas conquistas, as quais não foram poucas e de ambos os sexos rsss


Por ser muito bonito, causava furor por onde passava, tanto em homens quanto mulheres, solteiros ou casados...O autor de inúmeros poemas passionais, melancólicos e de Don Juan estava sempre em busca de algo que não sabia bem o que era...o desespero de ser alguém importante além de seu título nobre o perseguia; o desejo de participar das grandes revoluções, sentimento muito próprio do Romantismo, o acometeu e o levou até a Grécia, para alistar-se na Guerra de Independência Grega. Lutar por uma causa que não era a sua acabou com sua vida, aos 36 anos: Byron contrai febre tifóide após galopar na chuva...


Qualquer pessoa que estude Romantismo não pode passar sem ler um poema de Byron...sem dúvida, o alto grau de subjetivismo e emoção são características recorrentes em seus poemas. A única exceção, e daí ele ser reconhecido como gênio em sua época por vários críticos, é a obra Don Juan: de tom satírico, retrata em versos (mais precisamente 17 cantos) as (des)venturas de Juan. A inspiração do personagem título vem das loucuras cometidas pelo próprio Byron e o colorido das cenas retratadas (as terras quentes banhadas pelo Mar Mediterrâneo) foram visitadas exaustivamente pelo poeta. Agradável de se ler e muito engraçada, deixo aqui com vocês um pouquinho desta obra tantas vezes injustiçada em sua essência; neste trecho é contada a primeira conquista de Don Juan - aos 16 anos ele se envolve com Dona Julia, senhora jovem e bonita, casada com um distinto e velho fidalgo...mas que não consegue resistir ao charme e às investidas do rapaz rsss:

[...]Os olhos dela (adoro olhos bonitos) eram grandes e negros, 
suprimindo metade do fogo quando ela falava,
e através desses olhos existia um suave disfarce,
que se iluminava numa expressão mais de orgulho do que de ira,
e de amor, e depois crescia nesses olhos algo que não era desejo,
mas poderia ter sido, talvez, se não fosse pela alma
que lutava contra este sentimento lá no íntimo.

Seu cabelo brilhante caía por sobre os olhos,
brilhante e inteligente, e belo, e suave;
o formato de suas sobrancelhas eram arqueadas,
suas bochechas eram rosadas como o brilho da juventude,
demonstrando às vezes um fulgor,
como se suas veias dilatassem.
Ela, na verdade, possuía graça e jeito incomuns;
ela era alta - eu odeio mulheres baixinhas.

Há alguns anos era casada com um homem de 50,
e tais maridos existem aos montes;
mesmo assim, penso que em vez de UM
era melhor ter DOIS de vinte e cinco,
especialmente em países quentes,
e agora me vem à mente que
damas de virtude mais "inquieta"
preferem um marido de no máximo 30 anos.

É uma coisa triste, devo dizer,
e é tudo culpa deste sol indecente,
que não deixa em paz nossa pobre carne!
Ao contrário, fica nos assando, queimando, grelhando,
que só nos resta rezar;
A carne é fraca, e a alma imperfeita;
o que os homens chamam de galanteio, e os deuses de adultério,
é muito mais comum onde o clima é sufocante. [...]
(tradução livre minha, do texto que pode ser lido no original aqui)

Alguma semelhança com nossa vida nos trópicos é mera coincidência, não é? :)



Nenhum comentário:

Postar um comentário