Um blog para mulheres inteligentes e empoderadas pelo conhecimento!

Um blog para mulheres inteligentes e empoderadas pelo conhecimento!
"Interior com menina que lê". Óleo sobre tela de Henrique Bernardelli.1886.

domingo, 5 de março de 2017

Pausa poética: "O tempo que não se perdeu", Pablo Neruda

(Porto Alegre: L&PM, 2010)

O TEMPO QUE NÃO SE PERDEU

Não se contam as ilusões

nem as compreensões amargas,
não há medidas pra contar
o que não podia acontecer-nos,
o que nos rondou como besouro
sem que tivéssemos percebido
do que estávamos perdendo.

Perder até perder a vida

é viver a vida e a morte
não são coisas passageiras
mas sim constantes, evidentes,
a continuidade do vazio,
o silêncio em que cai tudo
e por fim nós mesmos caímos.

Ai! o que esteve tão perto

sem que pudéssemos saber.

Ai! o que não podia ser

quando talvez podia ser.

Tantas asas circunvoaram

as montanhas da tristeza
e tantas rodas sacudiram
a estrada do destino
que já não há nada a perder.

Terminaram-se os lamentos.
(In: O coração amarelo)
Em um contexto mais subjetivo, é interessante entender a mensagem que se encontra no poema desde o início, desde a primeira estrofe: não temos controle sobre o que poderia ter acontecido de bom ou de ruim em nossas vidas no passado. O que é externo a nós, não controlamos. Até nossas decisões, que achamos ter poder sobre elas, não imaginamos muitas vezes os rumos que elas podem tomar. Por isso as ilusões ou amarguras nem podem ser contadas, assim como também não podemos contabilizar aquilo que apenas nos rondou sem que pudéssemos perceber. A única certeza que temos do nosso passado é o que fizemos com ele, assim como suas consequências no tempo presente.
"Ai! o que não podia ser/ quando talvez podia ser": é pensar no que poderia ter acontecido se soubéssemos o que o presente nos aguardava. Teríamos feito diferente? Se conhecêssemos o futuro, negaríamos alguma de nossas convicções e certezas? Mudaríamos nossos passos? Talvez não.
Em um contexto mais político-social, podemos  refletir sobre o poema à luz das questões políticas com as quais se deparou Pablo Neruda na época da instauração do regime militar no Chile, o qual ele não aprovou e consequentemente foi perseguido por suas convicções de cunho mais populistas, em defesa mesmo do povo e contrário às injustiças.
No fim das contas, independente do que poderia ter acontecido ou não, de nossas decisões terem sido acertadas ou não no passado, não nos cabe agora lamentar, pois "tantas rodas sacudiram a estrada do destino que já não há nada a perder." E sim, bola pra frente pois "terminaram-se os lamentos."


Nenhum comentário:

Postar um comentário